AO VIVO
Auto Programação
Liberal FM

FONE LIBERAL

WHATSAPP LIBERAL

BAIXE NOSSO APP

MÍDIAS SOCIAIS

Era uma vez



Todos nós já ouvimos histórias com esta frase inicial. Simples, mas o suficiente para despertar nosso interesse e curiosidade. Histórias de príncipes e princesas, castelos, bruxas, dragões e tantos outros personagens que estimulavam nossa fantasia e prendiam nossa atenção. Cheiro de infância. Contar e ouvir histórias faz parte do comportamento humano desde as sociedades primitivas. É um ato que transcende a narrativa racional, carregado de simbolismo, que facilita a troca de ideias e a reflexão sobre si mesmo. Os significados das histórias são diferentes para cada criança, pois cada uma tem suas necessidades de acordo com o momento de vida. Para a criança, brincar é a possibilidade de estabelecer a relação entre o real e o imaginário, entre ela e o outro, entre seu corpo e o mundo, num intercâmbio rico de significados. Contar histórias, seja as clássicas ou a criação de alguma, transporta a criança para um universo mágico onde ela é capaz de entrar em contato com suas emoções e refletir sobre elas. Por isso, independente do enredo, a forma de contar, como a entonação de voz, os gestos e os olhares, são importantes, pois facilitam à criança adentrar o mundo da fantasia. Além disso, as histórias propiciam reflexões não só para as crianças, mas também para os adultos, uma vez que a literatura infantil é fonte de metáforas repleta de aprendizados. O que ocorre é que, atualmente, num ambiente circundante altamente tecnológico com celulares, videogames e computadores, somados ao ritmo de vida intenso da sociedade atual, com sobrecarga de trabalho e de funções dos pais, principalmente das mães, o ato de contar histórias, em muitas famílias, tem ficado em segundo plano. Ou nem isso. Para agravar ainda mais, na família moderna o tempo de lazer foi reduzido, já que muitos pais tem levado trabalho para casa. Sem dúvida, as demandas são muitas. Contudo, na relação com os filhos, o que deve imperar não é a quantidade do tempo e sim o subjetivo conceito da qualidade. Qual criança não gosta de ouvir histórias na hora de dormir? Este prazer não está atrelado apenas ao enredo dos contos, mas fundamentalmente a proximidade entre pais e filhos que se estabelece neste momento. Claro que nem sempre é fácil ter disponibilidade e paciência após um dia exaustivo de trabalho. Porém, seja qual for o motivo apresentado pelos pais, é preciso que eles reflitam a respeito para que o ato de contar histórias não perca seu significado. Além do mais, a criança que ouve histórias desde cedo se apaixona também por outra descoberta: a leitura. E ler é outra viagem. Créditos: Joselene L. Alvim – psicóloga

Fonte: G1

FACEBOOK

Contato Ouvinte:
(18) 3822-1218
(18) 99668-9200 (Whatsapp)
liberalfm@liberalfm.com.br

Contato Comercial:
(18) 3821-4340
luisjacon@liberalfm.com.br
luisjacon@hotmail.com

Onde Estamos:
Rua Monte Castelo, 941 – Centro,
Dracena – SP, CEP: 17900-000.

BAIXE NOSSO APP

MÍDIAS SOCIAIS

Liberal FM - Todos os Direitos Reservados.